Páginas

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Portadores de Necessidades Especiais e Projeto Escola no II Brasil em Dança

 
A segunda edição do evento conta, mais uma vez, com a categoria PNE – Portadores de Necessidades Especiais. Qualquer pessoa portadora de deficiência vinculada a instituições, escolas, grupos, ONG’s, mediante comprovação de parecer psicológico da instituição, autorização documental dos pais e documento de identidade, participaram.
A professora do curso de Licenciatura em Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Aline Haas, fará parte novamente do júri do Festival Brasil em Dança na categoria PNE. Ela ressalta que qualquer atividade que permite a participação de todas as pessoas deve ser incentivada e copiada. “Todos nós, de uma maneira ou outra, temos necessidades especiais. O cadeirante, o surdo e o cego têm essas necessidades mais expostas, mas também têm condições de participar de qualquer atividade”, diz Aline. Para ela, além de melhorar a auto-estima e inserir socialmente os PNEs, o festival Brasil em Dança vai ajudar a difundir a realidade dessas pessoas. “Tudo é feito para quem é perfeito. Porém, não adianta ter perna e não saber dançar. Já vi cadeirantes na Europa e em diversos pontos do mundo dançarem muito melhor que pessoas “normais”. Esta é uma ótima oportunidade de conhecer o que a maioria das pessoas não conhece.”


Grupo de Dança sobre Rodas Extremus Embalus

Conquista do 1º lugar
O grupo de Dança conquistou o primeiro lugar no evento II Brasil em Dança, na categoria grupo contemporâneo Infantil II. As alunas da professora Andrea Beal apresentaram a coreografia "A magia da inclusão".
 
Realizado no dia 25 de agosto, em Porto Alegre, o evento reuniu grupos de escolas de dança e de escolas de educação básica do Rio Grande do Sul e de vários outros Estados, totalizando mais de 1.856 bailarinos.
Projeto de Dança Andança da Escola Marista Graças

• Promovemos a arte através de apresentações de dança, em diversos gêneros, subgêneros e categorias artísticas, despertando o gosto pelas atividades artísticas com fins educacionais, formativos e de inclusão social.
• Promovemos apresentações artísticas como forma de desenvolvimento e estímulo à aprendizagem ao bailarino oportunizando-lhe atividades que melhoram a auto-estima e expressão pessoal.

• Incluimos e integramos, através da dança os alunos dos projetos escolares nas diversidades de mostras de dança.

• Ressaltamos as instituições que atendemos projetos escolares, como espaço cultural, artístico e formativo de bailarinos.
Projeto de Dança Andança da Escola Marista Graças

“A dança como forma de expressão e educação não está na escola para disciplinar ou doutrinar corpos, mas sim como facilitadora dos processos de desenvolvimento do ser humano” (Aline Pinto).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário